quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Transbordando de mim.


Transbordando de mim


Ando por estes dias
Transbordando de mim
E por onde eu passo respingo todos
E por onde eu passo apago fogo.
E por onde eu passo molho chão.

Ando por estes tempos.
Transbordando muito de mim
E quando começo a falar, faço-o cuspindo.
E quando fico calado, deixo todos suados.
Até mesmo, quando sinto quieto,
Permito a todos
Ouvirem o barulho do mar.


Sinceramente, confesso
Que nesta era
Vim inundando tudo
Tsunami a passeio na cidade
Espuma branca no sofá
Assistindo televisão
Onda inquieta no elevador
Redemoinho em fila de banco
Temporal namorando no
Escuro do cinema.

Não sei como me desculpar
Sou água fonte da vida
Matéria líquida do universo
Não tenho limites
Transbordo...
Transbordo por que sou mar...
05/08/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário